No dia 08 de Novembro de 2016 representantes de coletivos,
instituições da sociedade civil, da academia e da cultura lançarão
um chamado: QUEREMOS PRÉVIAS

Nosso objetivo é contribuir com a reorganização das forças
comprometidas com a democracia e a garantia de direitos, e
assegurar a construção de um programa de governo que dispute
as eleições presidenciais de 2018 e apoie o surgimento de novas
lideranças nos processos eleitorais estaduais e municipais.

Para fazer esse chamado conosco,
inscreva-se no formulário
 e 
torne-se um compartilhador: 





Inscreva-se para tornar-se um compartilhador!

0 tornaram-se compartilhadores!














Estamos de prontidão! Em todo o Brasil, nas ruas e nos espaços virtuais, coletivos se formam, atos e marchas são convocados e milhares de ocupações constroem a resistência. Se nunca nos faltou disposição para agir, esta energia cresce e se alastra na base da sociedade. A resposta à perda de direitos e as deficiências da democracia brasileira só pode ser mais democracia, direitos e igualdade!

Queremos contribuir com a reorganização das forças comprometidas com essa agenda e assegurar a construção de um programa de governo que dispute as eleições presidenciais de 2018 e apoie o surgimento de novas lideranças nos processos eleitorais estaduais e municipais. Se as eleições não são tudo, são um momento decisivo da disputa política, o que torna as Prévias um caminho para que bases democráticas, inquietas e criativas da sociedade encontrem canais para formular e dar vazão a suas propostas.

As Prévias serão um espaço comum de diálogo no qual diversos atores sociais poderão escutar uns aos outros, apresentando análises e propostas e debatendo seus potenciais e limitações. Sem abrir mão da pluralidade de pensamentos e iniciativas, este processo pretende apoiar a busca por convergências que produzam um programa de transformação social para o Brasil.

Sabemos que não há tempo a perder e que o aprofundamento da democracia exigirá a participação franca e aberta no debate público, evitando a dispersão e buscando a maior colaboração possível. Uma agenda que amplie a igualdade, os direitos e a própria noção de democracia chegará mais forte às eleições à medida que for debatida nas Prévias: sem vetos, sem preconceitos e sem imposições.

Por mais democracia, direitos e igualdade e por um processo que dê voz às várias vozes, QUEREMOS PRÉVIAS!


















1. O QUE SÃO AS PRÉVIAS?

As Prévias são o mecanismo pelo qual a sociedade civil deseja influenciar a escolha das candidatas e candidatos que disputarão as eleições em 2018. Tradicionalmente, cabe a cada partido tomar esta decisão com base em suas convicções e forças internas, o que continua sendo legítimo. Agora, no entanto, propomos um processo trans-partidário, influenciado também por movimentos, coletivos, ativistas e outras organizações da sociedade civil. Queremos escolher os candidatos em quem iremos votar, tendo em vista um amplo
debate para construir um programa de governo transformador e
capaz de agregar forças que hoje estão dispersas.


2. QUAL O OBJETIVO DA INICIATIVA?

Queremos provocar a realização de Prévias Eleitorais para 2018, envolvendo os partidos políticos e os diversos movimentos sociais que defendem a agenda de direitos e a democracia como uma conquista fundamental da sociedade brasileira. Este processo implica a reorganização de forças democráticas em busca de convergências programáticas nas candidaturas e planos de governo. É também um processo fundamental para fazer frente aos retrocessos impostos pelo atual Governo em diversas agendas, como as econômica, ambiental, educacional, sanitária, social etc.


3. QUAIS PARTIDOS E MOVIMENTOS CABEM NA INICIATIVA?

A porta de entrada para nossa iniciativa é larga. Cabem movimentos sociais, partidos, coletivos, ativistas, estudantes, empresários, empreendedores etc. e quaisquer organizações da sociedade civil comprometidas com a defesa de direitos e o regime democrático. Estamos prontos para sustentar uma ampla gama de atores sociais que tenham divergências quanto a temas, agendas e fórmulas para o Brasil. Ao mesmo tempo, partilhamos valores que nos confere
a unidade necessária para atuar.


4. MAIS ESPECIFICAMENTE, QUE VALORES OU PRINCÍPIOS LHES DÃO UNIDADE?

Respeitamos as diversas matizes e posicionamentos dos atores sociais que se unirão à iniciativa. Ao mesmo tempo, partilhamos uma agenda comum em torno do respeito à democracia e ao Estado de Direito; da plena igualdade de direitos entre gêneros, raças e etnias; da garantia dos direitos humanos; da educação pública, gratuita e de qualidade para todas as faixas etárias; do sistema único de saúde universal, integral e equânime; da proteção dos recursos naturais; da superação de todas as violências; do combate às desigualdades econômicas, entre outros valores que consideramos o próprio espírito da democracia. Nos une o compromisso com práticas políticas voltadas ao interesse público, o compromisso com a boa gestão pública e o desejo de fazer do Brasil uma nação de justiça, fraternidade e paz.


5. QUEM LIDERA A INICIATIVA?

A ideia se constituiu a partir de um impulso de setores da academia. Alguns professores articularam um grupo de trabalho para colocar a ideia em discussão e este grupo passou a aprofundá-la e a operar em círculos tanto estratégicos quanto executivos, num modelo colaborativo, horizontal e crescente em todo o Brasil. Assim, a proposta atraiu muitos apoiadores, como se observará nas assinaturas que encabeçam o manifesto. A partir da adesão de movimentos e partidos, deverá ser constituído um colegiado permanente que possa zelar pelo processo de realização das Prévias e que deverá ser composto de forma a garantir voz a diferentes correntes e segmentos do campo progressista.


6. HÁ PARTIDOS ENVOLVIDOS? AS PESSOAS ENVOLVIDAS POSSUEM VÍNCULO E/OU FILIAÇÕES PARTIDÁRIAS?

A ideia, as estratégias, os círculos de gestão e o manifesto emergem da sociedade civil, de um conjunto de pessoas vinculadas aos mais diversos setores. Desde o início do movimento, mantivemos diálogos com pessoas ligadas a partidos, porque reconhecemos todos os partidos, de todos os espectros, como atores políticos legítimos. No conjunto de atores que apoia as Prévias, há alguns que já exerceram cargos públicos ou com filiações partidárias, mas não há neste movimento vínculo ou submissão a agendas partidárias específicas.


7. OS PARTIDOS FORAM COMUNICADOS? E SE ELES QUISEREM FAZER PARTE?

O lançamento do manifesto abre as articulações de forma mais institucionalizada e possibilita que os partidos sejam convidados explicita e efetivamente a participar. Espera-se convencê-los, com argumentos e com um número significativo de assinaturas, de que as Prévias são a melhor maneira de responder ao contexto político em que nos encontramos e de fortalecer a luta por mais direitos e por mais democracia.  Assim que o manifesto ganhar a força que queremos, novas fases irão se abrir, e estamos comprometidos a apoiar o processo das Prévias para que ele seja uma riquíssima oportunidade de diálogo e construção programática plural.


8. POR QUE VOCÊS ACHAM QUE OS PARTIDOS IRÃO ADERIR? POR QUE AGORA?

Acreditamos que, depois da mobilização pelas Diretas Já, este é o momento histórico mais dramático vivido pela sociedade brasileira. Há uma crise econômica significativa, mas ainda maior é a crise política que tem derretido muitas das árduas conquistas sociais brasileiras dos últimos 30 anos. Os partidos vivem evidente crise de representatividade, crises programáticas, derrotas eleitorais e encontram-se numa dinâmica fratricida dentro de um campo em que comungam valores. Nós estamos seguros de que se as divergências se aprofundarem, perderemos mais força e assistiremos atônitos a inúmeros retrocessos em todos os campos. Precisamos criar uma máquina política que nos leve a um futuro de mais direitos e de igualdade. Inventamos a política para que ela nos fizesse melhores.


9. HÁ ALGUM TIPO DE FINANCIAMENTO PARA A INICIATIVA? DE ONDE ELE VEM?

Trata-se de um movimento espontâneo que até agora não envolveu recursos financeiros diretos, mas contou com doações voluntárias de tempo, ferramentas digitais, espaços físicos e muita, mas muita energia dos diversos participantes. Consideramos a hipótese de mobilizar esse tipo de recurso se for necessário, pois acreditamos que nossa proposta é de extremo valor para a sociedade brasileira e merecerá apoio à medida que se tornar mais clara.


10. COMO É O SISTEMA DE TOMADA DE DECISÃO DO MOVIMENTO?

As decisões até o lançamento do manifesto se deram por diálogo, debate e consenso, tanto no espaço de decisões mais amplas quanto no que chamamos de círculos de gestão focados em tarefas específicas. A partir de agora, com o início das articulações entre os diferentes partidos, movimentos, correntes e segmentos, é preciso que se desenhe um sistema de governança para o colegiado permanente que garanta a tomada de decisão de forma democrática, mas isso será feito junto aos partidos, movimentos e coletivos que aderirem às Prévias.


11. ESSA É UMA INICIATIVA NACIONAL? COMO VOCÊS PRETENDEM CHEGAR A OUTROS ESTADOS?

Já temos grupos articulados em São Paulo, Rio de janeiro, Recife, Brasília e Porto Alegre, além de movimentos de expansão desta ideia. O manifesto está sendo lançado digitalmente para que possa atingir todos os estados.

E o trabalho de articulação com partidos e movimentos deverá ser feito no corpo a corpo em cada região. Trabalhamos com estratégias online, mas também com estratégias off-line que alcancem a sociedade de forma abrangente.


12. A PROPOSTA DEVE SER TOMADA COMO UMA DECLARAÇÃO DE INSATISFAÇÃO COM OS PARTIDOS DE ESQUERDA E SUAS ESCOLHAS ATÉ O MOMENTO?

A proposta não ataca os partidos. Estamos convidando-os e estimulando-os a participar de uma conversa que permita aprofundar o debate público em torno de suas diferenças, tanto de princípios como em termos programáticos, para que se chegue a uma candidatura com força e militância suficiente para enfrentar aquelas que hoje sustentam a agenda conservadora. A autonomia dos partidos está garantida e ninguém é obrigado a endossar o resultado das Prévias. Mas elas são uma forma de construir, ao mesmo tempo, um projeto e uma militância em torno de uma candidatura. 


13. HÁ O COMPROMISSO DE APOIAR FORMALMENTE O CANDIDATO EM 2018?

O compromisso que venha a se firmar não é com o colegiado que organizará as Prévias. É com a militância que a elas adere e em torno delas se articula. É com o programa que tiver sido incansavelmente debatido ao longo das Prévias. Queremos que os resultados das Prévias sejam um compromisso com o eleitorado brasileiro. Queremos que o processo das Prévias ajude a transformar a política em um espaço de produção de um país melhor, mais justo, mais inclusivo.


14. QUEM PODERÁ PARTICIPAR DAS PRÉVIAS? COMO OS CANDIDATOS SERÃO INDICADOS?

O processo será construído em conjunto com os partidos, movimentos sociais e coletivos que aderirem à ideia, e buscamos ampla participação entre forças tradicionais e recém-criadas, entre movimentos urbanos e rurais, acadêmicos e populares, de todas as regiões brasileiras, porque todas as agendas e demandas genuínas da sociedade importam. Idealmente, podem se candidatar todos que desejarem e tiverem ideias para defender. As articulações caminhariam para indicações mais consistentes, em torno de princípios e programas que realmente se diferenciem e que tenham apoios mais consolidados.


15. QUEM VOTARÁ NAS PRÉVIAS?

No processo das Prévias, tanto a decisão a respeito das candidaturas quanto a respeito do colégio eleitoral e do processo de votação se darão no diálogo e articulação entre os partidos, diversos movimentos e coletivos que participarem das Prévias; jamais será uma imposição deste movimento. Contudo, o mais importante agora é lembrar que tais mecanismos, que precisam equilibrar forças e produzir legitimidade ao processo, serão desenhados e validados com os partidos e movimentos que aderirem à ideia das Prévias. Nós não nos propusemos a desenhar esse processo agora porque entendemos que ele não cabe exclusivamente a nós, mas ao conjunto de atores que sustentarem as Prévias.


16. COMO O GRUPO VAI SE MOVIMENTAR NAS ELEIÇÕES PARA GOVERNADOR?

Em princípio, as Prévias serão realizadas para escolher uma candidata ou um candidato a Presidente. Mas, a depender da adesão dos partidos, dos movimentos sociais e da possibilidade de formação de colegiados regionais, o processo pode ser estendido à eleição para governador em alguns estados.



17. COMO O GRUPO VAI SE MOVIMENTAR NAS ELEIÇÕES PARA O LEGISLATIVO, NOS ESTADOS E NO NÍVEL FEDERAL?

Em princípio, as Prévias serão realizadas para escolher uma candidata ou candidato a Presidente. As eleições para os legislativos têm peculiaridades e nelas a diversidade partidária pode ser considerada essencial. Mas, caso haja colegiados regionais, é possível inspirar-se em experiências como a da Bancada Ativista (SP) e a do Muitas Pela Cidade que Queremos (Belo Horizonte) e pensar em um processo específico de construção coletiva de candidaturas em torno de princípios e pautas programáticas comuns.



18. ESSE É O PRIMEIRO PASSO PARA A FORMAÇÃO DE UM NOVO PARTIDO?

Não. Este não é um tema tratado por nós ou um tema de que desejamos tratar. Nossa iniciativa considera a diversidade partidária e quer possibilitar justamente o aprofundamento do debate sobre as suas diferenças, ao mesmo tempo que busca fortalecer suas bandeiras comuns na disputa com o campo conservador. Não achamos que a saída está em somar novas legendas às 35 atualmente registradas no TSE. Ao mesmo tempo, é admissível a hipótese de que o processo de Prévias, com toda a construção programática que implica, possa levar à criação de novos partidos ou forças. Esse é um movimento que não se pode controlar.



19. COMO FORAM CONVIDADAS/SELECIONADAS AS PESSOAS QUE PARTICIPAM?

A ideia do manifesto foi crescendo no boca a boca, a partir da rede de contatos pessoais daqueles que a idealizaram. Há muito diálogo em curso e muitas adesões têm sido conquistadas a cada hora, a cada dia, em todos os lugares do país. O lançamento do manifesto serve justamente para abrir a iniciativa para qualquer um que queira participar.



20. HÁ REPRESENTATIVIDADE DE CLASSE, COR, RAÇA, GÊNERO, PROFISSÕES, ETC?

Consideramos como cláusula pétrea a igualdade de gênero em nossas ações. Buscamos, neste momento de criação da iniciativa, garantir alguma diversidade, sem quaisquer barreiras e com alguma busca ativa pelas diferenças. Acreditamos que na formação do colegiado permanente o critério de representatividade será essencial.



21. HÁ EXPERIÊNCIAS SIMILARES A ESTA EM OUTROS PAÍSES? VOCÊS SE INSPIRAM NELAS?

Há algumas experiências inspiradoras em outros países, como a Frente Amplio (Uruguai), a Notre Primaire (França) e a Primeras Primarias Ciudadanas (Chile). Elas são acompanhadas pelos idealizadores da iniciativa e deverão sim servir de referência para a construção detalhada do processo de execução das Prévias.